Central de Atendimento: 0800 704 1528      |

Redes Sociais:
  

Central de Atendimento:

Aranhas domésticas: conheça as espécies perigosas e saiba como evita-las

É cada vez mais comum encontrarmos diversas espécies de aranhas em estabelecimentos em centros urbanizados, assim como em fazendas, sítios e chácaras – por isso são chamadas de aranhas domésticas. Apesar de serem animais muito importantes no controle de insetos vetores de doenças (sua principal fonte de alimento), quando encontradas em grande quantidade podem indicar sinal de infestação. E, nesses casos, é essencial saber identifica-las para evitar maiores riscos.

Existem mais de 40 mil espécies de aranhas no mundo. No Brasil encontram-se mais de 12 mil espécies, sendo três delas as principais responsáveis pelos acidentes em centros urbanos: Phoneutria (armadeira), Latrodectus (viúva-negra) e Loxosceles (aranha-marrom). A aranha caranguejeira, por ser uma espécie que não inocula veneno, não representa um risco para a saúde da população, apesar de sua aparência amedrontadora.

Em sua maioria, as aranhas têm porte pequeno, com corpo que vai desde um milímetro a poucos centímetros, dependendo da espécie, embora algumas como as caranguejeiras possam chegar a 30cm. Predadoras por natureza, são estrategistas em desenvolver armadilhas para capturar suas presas, utilizando a teia para armazená-las e também para formar casulos para proteger seus ovos.

Algumas pessoas ainda as confundem com insetos, mas as aranhas têm quatro pares de pernas (os insetos, três). Outras diferenças são as asas ou antenas (só os insetos têm) e a divisão do corpo dos aracnídeos em duas partes: cefalotórax e abdome, enquanto os insetos são divididos em três partes: cabeça, tórax e abdome.

Espécies que causam acidentes em centros urbanos

A migração de aranhas para centros urbanos e habitações ocorre, geralmente, devido à destruição de seus habitats naturais pelo próprio homem. Entretanto, elas podem ir de um lugar a outro transportadas em caixas e no interior de objetos, por exemplo. Com hábitos noturnos, buscam abrigo em locais escuros e secos, sendo encontradas dentro e atrás de armários, sob quadros, em forros, frestas na parede ou na madeira, nos batentes e rodapés, no interior de calçados e nas copas de árvores.

Aranha armadeira (Phoneutria)

Esta pertence ao grupo das mais agressivas, sendo a principal espécie causadora de acidentes aracnídeos já registrados. Quando se sentem ameaçadas, levantam suas patas dianteiras e apoiam-se nas patas traseiras para atacar o alvo. Com ocorrências em todo o território nacional, são mais comuns na região Sudeste do Brasil. Seu corpo tem coloração marrom e atinge entre 3cm e 4cm, mas suas patas alcançam até 15cm de envergadura.

O veneno das armadeiras tem um efeito neurotóxico muito potente. Elas podem picar a pessoa repetidas vezes, causando dores intensas na região do edema. Náuseas, vômitos e a diminuição da pressão sanguínea são os principais sintomas após uma picada deste tipo de aranha. Ela pode causar acidentes graves principalmente com crianças, com os sintomas de intensa salivação, vômitos, diarreia, músculos enrijecidos, choque e edema agudo de pulmão. Os óbitos são raros. Tenha cuidado ao mexer em entulhos, sacudir calçados e roupas antes de usar e ao verificar soleiras, cantos e madeira agrupada, pois são os locais preferidos desta aranha para se esconder.

Viúva-negra (Latrodectus curataviensis)

Espécie em que a fêmea é maior e mais forte, a viúva-negra recebe esse nome por ter o hábito de devorar o macho após o acasalamento. Amplamente encontrada do Rio de Janeiro ao Rio Grande do Norte, mas também em Minas Gerais, Goiás, São Paulo e Rio Grande do Sul, esta espécie não é tão agressiva quanto a armadeira, mas continua sendo considerada um grande risco para os seres humanos.

Sua picada provoca dores intensas, pois o veneno age no sistema nervoso central, medula e músculos, podendo levar o indivíduo à morte. Os sintomas são sudorese, taquicardia, hipertensão, contrações musculares e, em casos graves, choque anafilático. A fêmea é facilmente identificada por seu corpo de coloração preta e brilhante e uma marca vermelha de 1cm em forma de ampulheta no ventre do abdômen, diferentemente do macho, que é menor e totalmente preto. Em ambientes urbanos, é comum ser encontrada em jardins e frestas em residências, latas vazias, cascas de frutas e beira de barrancos.

Aranha-marrom (Loxosceles)

Apesar desta espécie ser muito pequena (7mm a 12mm), seu veneno é muito poderoso. A aranha-marrom ataca quando pressionada contra o corpo, formando uma ferida de difícil cicatrização que pode levar ao necrosamento da região machucada.

De coloração marrom, algumas ainda podem apresentar um desenho em forma de estrela no cefalotórax. De hábitos noturnos, são muito ativas no verão e tendem a ficar escondidas durante o dia atrás de móveis e em sótãos, porões e garagens. São encontradas principalmente na região Sul do Brasil.

Como evitar o risco de acidentes com as aranhas Para evitar o surgimento dessas espécies perigosas e evitar o risco de acidentes, algumas medidas devem ser tomadas:

• Mantenha sempre limpo o quintal e jardim de sua propriedade.

• Limpe e mova de lugar regularmente móveis e quadros dentro de casa.

• Ande sempre calçado, verificando o interior dos sapatos antes de usá-los.

• Verifique roupas pessoais, de banho e de cama antes de utilizá-las.

• Feche armários e gavetas para evitar que as aranhas encontrem abrigo em seu interior.

• Ao entardecer, feche portas e janelas – especialmente em áreas arborizadas.

• Vede buracos e frestas em paredes, portas, janelas, forro e assoalhos.

• Não acumule entulhos, folhas secas, material de construção ou lixo doméstico.

• Sempre utilize luvas para realizar trabalhos rurais ou de jardinagem.

• Evite plantas com folhagens densas junto a paredes e muros.

• Combata a proliferação de insetos – a principal fonte de alimento das aranhas.

Por mais que as aranhas não busquem contato com seres humanos, elas podem picar caso se sintam ameaçadas. Se você identificar a presença de algum desses aracnídeos em sua propriedade, é essencial entrar em contato com uma empresa especializada no controle dessas pragas para identificar a gravidade do caso no ambiente.

Essa é a melhor forma de cuidar da saúde de todos e da qualidade de vida do ambiente.Contate a Uniprag para saber mais sobre soluções saudáveis e sustentáveis no combate a pragas urbanas como as aranhas.

    CATEGORIAS:
Dicas Legislação Notícias

LIGUE PARA A UNIPRAG MAIS PRÓXIMA DE VOCÊ

Ou envie-nos uma mensagem pelo formulário abaixo: